fbpx

Todo apoio ao povo Wajãpi

Mais um ataque brutal aos povos indígenas e dessa vez a vítima é o povo Wajãpi, no Amapá. Cerca de 50 garimpeiros fortemente armados atacaram nos últimos dias a aldeia Mariry, do povo Wajãpi, localizada no município de Pedra Branca do Amapari, matando a facadas pelo menos uma liderança indígena chamada Emyra Wajãpi, 68 anos. É grande a ameaça de banho de sangue se não houver uma imediata intervenção do Estado brasileiro. O bando criminoso aterroriza a população indígena, invadindo suas moradias e espancando mulheres e crianças e destruindo as plantações.

Este ataque é mais um da série de violências que os povos indígenas do Brasil vem sofrendo desde o dia que Bolsonaro ganhou a eleição em 2018. Esse desrespeito aos direitos indígenas decorre diretamente do discurso e da prática criminosa do governo Bolsonaro, que claramente se coloca contra os povos originários e estimula a invasão das terras ancestrais e das unidades de conservação por grupos mineradores, madeireiros, grileiros de terras da União, todos interessados na exploração ilegal e predatória das riquezas da floresta.

O PSOL, através do seu Encontro Nacional Ecossocialista, manifesta irrestrita solidariedade ao povo Wajãpi, ao mesmo tempo em que exige que o Estado brasileiro adote todas as providências para proteger a integridade física deste povo originário, com a imediata retirada dos invasores, bem como clama pela apuração rigorosa a fim de localizar e punir, na forma da lei, executores e mandantes do brutal assassinato de
Emyra Wajãpi.

Cobraremos cada gota de sangue derramado!

O Estado brasileiro e o governo Bolsonaro serão responsáveis por qualquer violência contra o povo Wajãpi.

Basta de chacinas!

Encontro Nacional Ecossocialista do PSOL

28 de julho de 2019

Cadastre-se e recebe informações do PSOL

Relacionados

PSOL nas Redes

469,924FãsCurtir
362,000SeguidoresSeguir
7,236SeguidoresSeguir
515,202SeguidoresSeguir

Últimas